sapiência

como te falo:

meu falo é maior e mais potente
que tua varinha de condão
as mulheres que gozam pra mim
jamais rebolariam
em teus másculos quadris

esse o motivo
do ódio que me tens
sou criativa
e tu
pobre figura machista
inveja a retórica e o fogo
de minha língua

Serpente

Eu sou o erro. O abraço indevido para seus beijos. O deslize que não se deve cometer. No entanto, quero seus lábios no meu mamilo. Seu hálito na minha nuca durante a madrugada. Suas mãos amanhecendo meu desejo. Seus seios despontando em minha aurora.

Acaso quero muito? Quero tudo o que não devo. Quero só o que mereço. Quero a aflição do seu desejo.

Assusto-lhe?

Continuar lendo